• Menu
    • Quem Somos
    • Ensino
    • Aconteceu
    • Para Refletir
    • Localização
    • Contato
    • Área Reservada

Para Refletir

Tecnologia Social nossa ex-aluna é mestre no assunto!

Postado por: Junior Yapondjian em: 26/11/2015

A brasileira Anielle Guedes impressiona. Não só pelo conhecimento sobre tudo que fala, mas também pela experiência. Já foi tradutora da Anistia Internacional, filmou um documentário que foi apresentado na Unesco, discursou duas vezes na ONU e participou de um curso na Agência Espacial Americana (Nasa). Hoje, com apenas 22 anos, ela é dona de uma startup que quer reduzir os custos da construção civil utilizando impressão 3D.



Apesar dos poucos funcionários, a Urban3D conta com importantes parceiros para desenvolver materiais e a impressora em questão. Uma empresa alemã na área de química, por exemplo, está criando um novo produto feito a base de recicláveis para substituir o concreto. Enquanto isso, empresas na área de maquinário pesado e de robótica estão desenvolvendo máquinas e tecnologias para viabilizar a impressão como planejada e realizada em outros locais do globo.



Berço da empresa, a Nasa também já procurou Anielle para desenvolver um projeto ainda não divulgado. Além disso, a ONU — que a convidou para discursar sobre a Urban3D em Genebra — também é uma de suas parceiras, divulgando o projeto em escala global.



Tecnologia Social

A impressão 3D de materiais de construção não é completamente original. Alguns fatores, porém, diferenciam a Urban3D de outras companhias, segundo Anielle. “O primeiro é que as outras empresas tem um enfoque muito grande no desenvolvimento de maquinários. Mas nós também pensamos nos materiais”, conta ela. “E estamos olhando para a impressão in loco, não de peças. Além disso, eles falam em imprimir casinhas de um andar. O nosso produto final será um prédio de, no mínimo, quatro andares.”



No Brasil, ela tem o objetivo de construir moradias sociais. “Já contactamos a prefeitura e o Ministério do Planejamento”, conta. “Tentaremos, também, fechar parceria com o CDHU.”

O objetivo de Anielle, porém, vai além. “O mundo tem um déficit habitacional de dois bilhões de pessoas. Em 15 anos, esse número vai subir para 4 bilhões. E nós não temos dinheiro para acompanhar esse crescimento”, comenta. “Como posso fazer algo útil para isso?”







Leia mais: http://blogs.estadao.com.br/link/brasileira-quer-imprimir-moradias/

Tecnologia Social nossa ex-aluna é mestre no assunto!